ARTIGOS ESPECIAIS SANFELIZ

TRONCOS ANCESTRAIS

ARTIGOS ESPECIAIS

É comum as famílias ostentarem certo orgulho pelo sobrenome que carregam a partir de um tronco ancestral. Os pesquisadores gostam de sistematizar suas descrições genealógicas por famílias. É o caso da formação da gente rio-grandense a partir da colonização portuguesa. A descrição das famílias por linhagens é uma questão apenas de sistematização, o importante é o testemunho da história que se encerra em todas elas como um todo, embora cada uma delas tenha seus feitos a relatar. Celebremos, isso faz bem!

SOBRENOMES

A questão do sobrenome nos indivíduos nem sempre teve uma sistemática como a hodierna, em que é comum a adotar-se a composição do sobrenome do pai e da mãe para os seus filhos. Cabe aqui relatar várias situações:

SOBRENOME DOS FILHOS – Além do prenome, o sobrenome deve ter um dos sobrenomes dos progenitores, se do pai, qualquer das formas, o último ou o do meio, ou ambos; se da mãe, da mesma forma como o dito para o pai; pode ainda a criança receber o sobrenome de um dos avós; também foi admissível pospor ao prenome até quatro sobrenomes. Há uma certa diferença na colocação dos sobrenomes entre os ibéricos. Portugal costuma dar às crianças um prenome seguido de um sobrenome materno pospondo o paterno. Já a Espanha faz exatamente ao contrário, pospõe o sobrenome materno ao paterno. É uma questão conceitual em que a relação umbilical premia ou a ligação de consanguinidade (materna) ou a relação econômica (paterna).

SOBRENOME ESPOSAS – No caso das esposas (cônjuge virago) a substituição do nome de solteira pelo de casada nem sempre teve uma norma consensual. Eis algumas situações:

– A mulher substituía o seu sobrenome materno pelo sobrenome do marido, precedido da preposição “de”;

– Numa sociedade elitista, a troca de sobrenome, por algum tempo, Século XIX, foi uma norma socialmente consensual.

– Mulheres muitas vezes oriundas de classes mais modesta, apenas tinha o prenome, sem passar pelo rito da crisma faltava-lhe o

O costume de uma mulher mudando seu nome após o casamento é recente. Espalhou-se no final do século XIX nas classes superiores, sob a influência francesa, e, no século XX, especialmente durante os anos 1930 e 1940, tornou-se socialmente quase obrigatório.

Até o final do século XIX e meados do século XX, era comum que as mulheres, especialmente as de uma família muito pobre, não recebessem o sobrenome do pai e assim serem conhecidas apenas pelo seu primeiro nome. Geralmente recebiam como sobrenome um nome genérico como Maria de Jesus ou Rosa de Jesus. Ela, então, adotava o sobrenome completo de seu marido depois do casamento. Com o advento do republicanismo no Brasil e em Portugal, juntamente com a instituição do registro civil, todas as crianças agora têm sobrenomes.

 

TRONCOS SECULARES NO RIO GRANDE DO SUL

Conforme estudos deixados por João Pinto da Fonseca Guimarães e Jorge Felizardo Furtado vamos encontrar as principais linhagens, os chamados troncos seculares. São eles:

ADOLPHO SCHRAMM – OS CHARÃO
ALVES PEREIRA
ANTUNES DA PORCIÚNCULA
AZEVEDO E SOUZA
BRAZ LOPES
CARNEIRO DA FONTOURA
GARCIAS VELHOS
GONÇALVES DE MAGALHÃES
GONÇALVES MANCEBO
GUTERRES
LEITÃO DE FIGUEIREDO
MACHADO BRUM
MENNA BARRETO
ORNELAS E VASCONCELOS
PACHECO LOURO
PAVÃO DA COSTA
PINTO BANDEIRA
RODRIGUES MENDES
SANTOS RABALO
SILVEIRA ÁVILASILVEIRA CASADO
SIMÕES PIRES
SOUZA FERNANDO
XAVIER DE AZAMBUJA

 

Outro pesquisador emérito, Carlos Rheigantz, tratando da contribuição açorita no povoamento do Rio Grande do Sul cita importantes troncos geradores a considerar a progênie relacionada, entre eles e sem considerar várias outras famílias que se formaram a partir delas:

TRONCOS LOCALIZAÇÕES DOMINANTES
JOÃO ANTÔNIO PORCIÚNCULA Rio Grande até as cabiceiras do Rio Negro
MANUEL DA COSTA LOURENÇO Pelotas, Erval, Canguçú, Piratini, Pinheiro Machado
ANTÔNIO DE FREITAS AGUIAR Rio Grande, Pelotas
INÁCIO GONÇALVES Pelotas, Rio Grande Mostardas
FRANCISCO XAVIER LUIS Jaguarão, Bagé, Dom Pedrito
SEBASTIÃO PEREIRA Pelotas, Piratini, Pinheiro Machado, Bagé, Dom Pedrito
ANTÔNIO PINTO Rio Grande Erval, Pelotas
ANTÔNIO RODRIGUES SARDINHA Rio Grande até as cabiceiras do Rio Negro
JOSÉ DOS SANTOS REZENDE Rio Grande, Pelotas,
FRANCISCO DE SEIXAS Rio Grande, Pelotas, Bagé
JOAQUIM SOARES DE SOUZA Rio Grande, Pelotas, Rio Pardo
ANTÔNIO DE SOUZA FERNANDO Porto Alegre, Viamão, Rio Pardo, São Gabriel
NICOLAU DE SOUZA FERNANDO Porto Alegre, Pelotas, Rio Grande
JOÃO TEIXEIRA CARNEIRO Rio Grande, Pelotas,

 

Todas essas linhagens têm suas características. Umas se proliferaram mais que outras. Porém todas, mais do que o orgulho comemorado por seus componentes, guardam a memória da história sul-rio-grandense. Talvez, esse seja o valor maior a ser em conjunto a ser celebrado. Decorreram mais de sete a oito gerações e algo a mais foi incrementado. Foram os imigrantes, principalmente europeus, que se juntaram a partir do Século XIX, entre eles: alemães, italianos, poloneses e, também, em menor quantidade, os japoneses e os sírio-libaneses (“turcos”), acrescentando nessa miscigenação os aborígenes brasileiros e africanos. Assim, aquela população de não mais do que 10.000 luso-brasileiros, chega aos milhões de habitantes de hoje.

 

INTER-RELAÇÃO COM OS CARNEIRO DA FONTOURA

Não é exagero dizer que dos troncos seculares, são os Carneiros da Fontoura, o que guarda o maior vínculo todas as correntes genealógicas do Sul do Brasil. Isso, além de ser um dos Troncos Seculares na formação da América Meridional Portuguesa a partir do Século XVIII, espalharam-se por quase todas as regiões, em especial na metade sul gaúcha. Por isso encontram-se linhagens que se formaram a partir de um de seus componentes e outras com inter-relações muito frequente.

– Linhagens formadas a partir de um de seus componentes:
os Simões Pires, os Charão, os Menna Barreto, os Palmeiro da Fontoura, os Silveira Casado, os Neves da Fontoura, Fontoura Xavier.
– Linhagens com fortes inter-relações:
os Freire, os Simões Lopes, os Moreira, os Cunha, os Barboza, os Duarte, os Barreto Vianna,
– Linhagens diversas:
Queiroz e Vasconcellos, Almeida, Brasil, Cardoso, Machado, Fonseca, Palmeirim, Prestes, Amaral Gurgel, Pinto Bandeira, Arthayeta, Lara, Duarte Amaral, Martins Costa, Pereira e Souza, Freitas Travassos, Riquinho, Pereira Fortes, Barcellos, Parrot, Lopes, Patrício Azambuja, Cidade, Rangel, Corte Real, Corrêa Câmara, Anchieta, Motta, Coelho Borges, Garcez, Ilha, Porto, Xavier, Totta, Portinho, Pestana, além de Fontoura Xavier e Trindade, Agon [Agan], Riopardense, Corrêa, Assumpção, Panafiel, Costallat, Ursuá, Montojos, Duclos, Castro, Bacellar.

Localidades Dominantes:
Início da colonização
: Rio Grande, Viamão e Rio Pardo.
Após 1801: Encruzilhada do Sul, Cachoeira do Sul, Triunfo, Caçapava do Sul, São Sepé, Taquari e
Após 1811, Bagé, Dom Pedrito, São Gabriel, Lavras do Sul, Rosário do Sul, Alegrete, Pelotas, Porto Alegre, Jaguarão, Santana do Livramento, Santa Maria, Quaraí
Pelo Brasil: Castro (PR), Itaguaí (RJ), São Paulo, Rio de Janeiro, Itu (SP), Niterói (RJ), Maranhão, Joinville (SC), Bahia

Uruguai e Argentina: Rivera e Taquarembó, Salto, Buenos Aires.

 

LINHAGENS NA INTERNET

SIMÕES LOPES

http://blogdealbergaria.blogspot.com.br/2011/08/origem-do-sobrenome-simoes-lopes-brasil.html
http://gw.geneanet.org/josimo70?lang=pt&m=N&v=SIM%C3%95ES%20LOPES

PALMEIRO

– sanguepalmeiro.blogspot.com.br/2011/05/balbina-francisca-da
– ww.myheritage.com.br/research/individual-3001114/maria-josefa-da-fontoura?s=7124221&rfr=tree
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B4nio_Lara_de_Fontoura_Palmeiro

MOREIRA

http://fluriano.com.br/Fontoura/historia_manoel_percillianna.htm

SIMÕES PIRES

https://www.myheritage.com.br/site-family-tree-7124221/descendentes-de-matheus-simoes-pires
http://mitoblogos.blogspot.com.br/2008/06/genealogia-220-famlia-simes-pires.html
http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2008/docsPDF/ABEP2008_1219.pdf
http://gaz.com.br/conteudos/geral/2016/07/06/75964-tocha_olimpica_percorre_regioes_central_e_sul_do_estado_nesta_quarta_feira.html.php

CHARÃO

http://www.rodrigotrespach.com/2014/05/28/schramm-uma-familia-alema-no-rs-do-seculo-18/

♦ 2017-05-30, 09:11:43

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!